welcome

partilhem!

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Uma saída para um dos meus locais de eleição... E descubro que já nada é o que era.
Ou então fui eu que mudei...
Talvez sempre tenha gostado de lá estar, porque me trazia boas recordações. Recordações de uma época em que apesar das confusões na minha cabeça, até me sentia feliz. Nem sei bem como é que isso é possível.
Mas o que é certo, é que me senti oprimida, sufocada, irritada e anciosa por sair dali. E no entanto, estava com as minhas meninas do coração. Que ao longo de meses, foram partilhando os meus altos e os meus baixos, mas principalmente os meus baixos, uma vez que são os presentes na sua maioria, na minha vida.

Não sei se terás algo a ver com a minha mudança de postura no que se refere àquele sitio, o que é certo, é que para mim, já não é a mesma coisa!

Ás vezes gostava de voltar atrás no tempo, mas como até me conheço um bocadinho, acho que não teria feito nada de forma diferente. Acho que a única coisa que teria feito, seria pedir-te que esperasses. Não sei se isso iria mudar alguma coisa, o que é certo é que não contava com a minha reacção ao facto de teres seguido a tua vida. Especialmente quando fui eu que to pedi.
Sou um bicho estranho?!
Na realidade, considero-me cada vez mais ser humano. Alguém que sente.
Sei o que é o Amor?!
Acho que não. Na realidade não sei se o já senti realmente alguma vez.
Confundo-o muitas vezes?!
Pois claro... Sou um ser humano, e é o que o ser humano faz.
O que é ser-se humano, sem sentir?
E eu sinto, Céus, como sinto! "Quem se sente é filho de boa gente!" (é assim o ditado? se é, é bem verdadeiro!)
Sinto que sinto a falta e sinto que sinto um vazio.
Ás vezes gostava tanto de ter a coragem para te dizer: Não vás!
Mas não consigo, continuo um ser cobarde, que tem de aprender a fechar a caixinha, outra vez.
Não o sei como fazer... Será que dói?!
Ás tantas não dói mais do que já dói agora... Ou então, dói menos do que poderia doer realmente.
Assustei-te....
Não percebo o porquê... Tu sabes que eu jamais te iria pedir para ficar, ou te iria fazer uma cena tresloucada quando fosses... Apenas me custou que quando estavas comigo, não estavas só comigo... Mas possivelmente a culpa também foi minha, porque também nunca agi em conformidade com aquilo que pretendia no momento realmente, um Momento Nosso!
É uma tolice escrever isto aqui, porque tu lês e não gostas  do que lês e depois fica a mágoa e o aborrecimento entre os dois... Mas isso está sempre presente entre nós... Basta uma palavra mal dada, um acto impensado, e pronto....: "O que é que se passa? Disse algo de mal? Fiz alguma coisa que não devia ter feito? - Não se passa Nada!"
A realidade é que aquele NADA, é um TUDO!

Acho que tenho mais coisas para dizer do que realmente quero... Talvez um dia te escreva um e-mail ou uma carta...
Ou talvez um dia eu perceba que nada valeu a pena, que quase tudo foi ao ar por uma vontade idiota.
Mas no fundo não quero acreditar nisso, Deus me livre de acreditar nisso. É que se eu acreditar nisso, acho que nunca mais acredito em nada na vida.

Uma coisa sei, não vale de nada abrir o coração e dizer o que sentimos. Paixão, é como o Amor, existe de várias formas. Ou então, sou só eu que penso assim.
Gosto?!
Honestamente não sei, pensei que sim, mas talvez gostasse do que imaginei que poderias ser para mim e do que eu poderia ser contigo e que na realidade não sou.

Acho que mais uma vez não vais perceber... Mas também não é para perceberes... É para eu perceber e analisar mais tarde, quando já não conseguir escrever mais....

sábado, 19 de dezembro de 2009

....

....
Todos os dias se levanta e olha em busca do sonho que teve, com esperança de o agarrar, antes de ele se esfumar no ar.
Todos os dias tenta caminhar no meio das pessoas, das confusões, do trânsito, das encruzilhadas da vida.
Sente-se perdida, busca vários pontos de apoio, tenta espalhar afecto, às vezes até demais...
Mas chega a um dia em que já sabe, está espelhado, está mais que dito, que é o comportamento errado.... Quer redimir-se mas não sabe como. Sabe que o problema que afecta o seu dia-a-dia, é a sua necessidade de absorver Amor e Carinho dado pelos os outros, mas uma incapacidade extrema de dar sem exigir. "Para dar, tenho de ter..."; "Para dar, tens de ficar..."; "Para dar, tenho de ser só eu...."!

Será que todos sentem o mesmo?
Esta incapacidade de dar?
Ou talvez até mesmo de sentir?

Ou melhor, incapacidade de sentir, não. Acho que sinto até demais, não é Amor, é a sensação de abandono, de desilusão, um vazio com que não sei lidar muito bem... Mas sinto-me atingida por todos os lados, de uma forma que chega a um ponto em que só me apetece baixar os braços e desistir... Ou então, sair daqui, fugir para outro local... Mas como diz uma amiga minha, que além de amiga é o meu grilinho falante, a minha consciência... "Sair daqui para quê? Levo tudo comigo!"...
E isto é verdade, não é?  A pessoa tenta fugir, mas leva tudo com ela, na cabeça e no coração... E é um peso tão grande!
Demasiado grande para alguém conseguir suportar, acho! E se fôr um problema? Como arranjar a solução?

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

sábado, 12 de dezembro de 2009

Mas afinal... Não foi assim tão dificil!

Pensei que fosse mais dificil ver-te ou estar contigo...
Pensei que talvez não fosse suportar a dor que sinto no fundo do peito, o facto de não poder ter manifestações de carinho... Mas por incrivel que pareça, não foi assim tão dificil.
Na realidade... Acho que já me resignei.
Sei o que sinto, também sei que não é o mesmo que sentes, mas por incrivel que pareça, já não importa. não vais estar cá para me ver, ou para ter manifestações de carinho para comigo... Ou para te preocupares e dizeres tudo o que te passa pela cabeça, sem pensares.
Realmente nem passado, nem presente, nem futuro. Simplesmente não tinha de ser e não tinha mesmo de ser.
Atropelámo-nos um ao outro, sem contar. Atravessámo-nos no caminho um do outro e nem nos apercebemos do que se passava em cada um de nós.
Eu precisava e preciso de crescer, tu tens outros horizontes, que não seriam alcançáveis para mim. Não vi nada, por ignorância ou pura estupidez.
Neste momento é: rumos diferentes, vidas diferentes, caminhos diferentes... Tudo diferente, sem perpendiculares pelo meio, nem rotundas, nem cruzamentos...
A vida é irónica... Dá e tira num piscar de olhos.
Fica o porquê sem resposta. E ficamos nós a pensar que talvez, a culpa seja nossa!!
A culpa é minha?!
Talvez... A primeira opção foi minha... E tracei o caminho.
Como tu dizes: foi uma opção, agora tenho de aguentar.
Esta tua frase baralhou-me tanto... Tem tantos sentidos... E talvez seja por isso que me meti nesta embrulhada... Como desembrulhar?! Não faço a minima ideia... Mas os nós hão-de acabar por se desatar...

Mas afinal... Não foi assim tão dificil!

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Regresso ao mesmo....

Regressei hoje, depois de um fim de semana prolongado no Minho.
Fui para longe para pensar, mas o longe não foi suficientemente longe.
Tentei e tentei e tentei... E não me consigo desligar. Fecho os olhos e assaltam-me imagens que preferia esquecer. No peito fica um aperto tão forte que quase não consigo respirar.
Eu juro que tento e que quero afastar-me... Mas é tão dificil...
É uma luta diária! É uma luta tão cansativa... Que quase me apetece desistir, baixar os braços e deixar-me ir... Aniquilar-me e aniquilar o que sinto, só para não perder...
Mas já perdi... O que é que posso evitar perder, se já perdi tudo?

Estupidamente criei sonhos e ilusões, baseados não sei no quê... E que resultaram no belo turbilhão que aqui se encontra.
Na realidade... Eu só quero desaparecer daqui para fora... Sinto necessidade de me curar, de cicatrizar as feridas... Mas ao mesmo tempo, o meu lado masoquista, obriga-me a prefurar as feridas e fazê-las sangrar ainda mais...

A minha incapacidade de admitir o que sinto, de falar, de pedir, de decidir, de assumir... Faz-me perder coisas, pessoas, situações, oportunidades que poderiam ser muito boas para mim...

Mas para variar... Fico sozinha no meu canto, refugio-me e sofro...

sábado, 5 de dezembro de 2009

Seguir em frente.

"Um copo" que se parte no silêncio da noite, deixando para trás palavras trocadas, sentidas...
Sentidos apurados, que se perdem na réstea de um momento e que nada os fará recuperar...
Tempo curto e vontades que despertam, sem no entanto nunca acabar por saciar...
E um término, rápido, quase frio... Para a memória não atraiçoar...
Um buraco e um vazio.... Um caminho longo e distante...
Uma caminhada preserverante, Só, mas confiante.

Seguir em frente.

sábado, 28 de novembro de 2009

La Vie En Rose - Édith Piaf

La Vie En Rose

Des Yeux Qui Font Baisser Les Miens
Un Rire Qui Se Perd Sur Sa Bouche
Voila Le Portrait Sans Retouche
De L'homme Auguel J'appartiens
Quand Il Me Prend Dans Ses Bras,
Il Me Parle Tout Bas
Je Vois La Vie En Rose,
Il Me Dit Des Mots D'amour
Das Mots De Tous Les Jours,
Et Ca Me Fait Quelques Choses
Il Est Entre Dans Mon Coeur,
Une Part De Bonheur
Dont Je Connais La Cause, C'est Lui Pour
Moi, Moi Pour Lui Dans La Vie
Il Me L'a Dit, L'a Jure Pour La Vie,
Et Des Que Je L'apercois
Alors Je Sens En Moi, Mon Coeur Qui Bat...
Des Nuits D'amour A Plus Finir
Un Grand Bonheur Qui Prend Sa Place
Les Ennuis, Des Chagrins S'effacent
Heureux, Heureux A En Mourir

Besame Mucho - Diana Krall

Besame, besame mucho
Como si fuera esta noche la última vez,
Besame, besame mucho,
Que tengo miedo a perderte, perderte despues [twice]

Quiero sentirte muy cerca mirarme en tus ojos verte junto a mí
Piensa que tal vez mañana yo ya estare lejos, muy lejos de ti

Besame...

Quiero...

Besame...

[English translation]

Kiss me, kiss me a lot,
As if tonight were the last time
Kiss me, kiss me a lot,
For I'm scared to lose you, to lose you afterwards

I want to feel you very close, see myself in your eyes, see you near me
Think that maybe tomorrow I'll already be far, very far away from you

domingo, 22 de novembro de 2009

Borrow - Silence 4

You're never with me

You're never near me
What time is it?
What time?
Who's time is this?
Give yourself a change to breathe
I'll give you the room you need
You're never here
You're never near here
What day is this?
What day?
Who's day is this?
Put me in your supermarket list
I'me here, I'm real, It's true, I do exist
Today you may feel a little sleepy
Maybe the morning is too soon
I guess I'll have to borrow
One of your sunny afternoons
But afternoons they never come
There's nothing left for me to borrow
I guess i'll try again tomorrow
You're wasting me
You're breaking, you're wasting me
Can this be love?
Is this?
Who's love is this?
What is wrong with you i don't know
No place in you for me
And me, I need you so
And if you want to be yourself
No one disturbing, that's alright
I guess i'll have to borrow
A little of yoursealf tonight
But tonight it never comes
There's nothing left for me to borrow
I guess i'll try again tomorrow
It may seem a little hollow
But i'll try again tomorrow
There's nothing left for me to borrow
I guess i'll try again tomorrow

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Paciência - Lenine





Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
A vida não pára...
Enquanto o tempo
Acelera e pede pressa
Eu me recuso faço hora
Vou na valsa
A vida é tão rara...

Enquanto todo mundo
Espera a cura do mal
E a loucura finge
Que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência...

O mundo vai girando
Cada vez mais veloz
A gente espera do mundo
E o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência...

Será que é tempo
Que lhe falta prá perceber?
Será que temos esse tempo
Prá perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara...
Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Mesmo quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não pára
A vida não pára não...

Será que é tempo
Que lhe falta prá perceber?
Será que temos esse tempo
Prá perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara...

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não pára
A vida não pára não...

A vida não pára..

domingo, 15 de novembro de 2009

Há uma altura na vida, em que somos obrigados a seguir em frente.
Isso obriga-nos a libertarmo-nos a nós e aos outros.
São decisões que custam e apetece sempre chorar... Mas desta vez não chorei, não fui capaz.
Ficou um peso imenso no meu peito, e uma falta de ar intensa.
Mas não há nada a fazer... Recuso-me a ficar com a sensação de perda de algo que não é meu.
Não me posso continuar a magoar....

Sinto... Muito, muito, muito... Mas não consigo mais...
Preciso de seguir em frente e deixar que sigam em frente...

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Na procura e no sonhar...

Cada dia que passa, vou procurando mais e mais... Cada vez mais fundo, para encontrar quem me pode preencher totalmente.
Não dá para continuar a viver de meias medidas, de bocadinhos que vou juntando de várias pessoas, para sentir que existe apenas uma, na minha vida.
Cansada de obter bocadinhos e mais bocadinhos, quando na realidade quero alguém completo ao meu lado. Alguém que me preencha, que me faça rir, alguém que olhe para mim e me veja, não apenas como alguém que está ao lado, mas sim como eu sou realmente.
Com os meus desejos, com as minhas vontades, com as minhas gargalhadas, com as minhas lágrimas, com a minha alegria, com a minha tristeza....
Preciso que alguém leia na minha cara, quando estou com medo.
Alguém que me conheça melhor do que eu me conheço a mim.
Alguém que saiba como parar uma discussão e que não faça por a começar.
Alguém em quem eu possa confiar.
Alguém que me ame e que eu ame.

Sonhar é só para alguns ou para todos?

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Dor....

É como uma dor que entra pela ponta dos dedos e se instala por todo o corpo e que, a pouco e pouco, não nos deixa dormir, comer e até mesmo respirar...
Pois parece que sufoca...
Tenta clamar-se por ajuda...
Mas quando damos por nós estamos tão perfeitamente sozinhos no nosso casulo, que ninguém, mas mesmo ninguém nos vem ajudar....
E nós vamos definhando até que haja algo que nos faça dar a volta por cima...
Até lá... Vamo-nos arrastando e tentando manter-nos ao de cima...

sábado, 31 de outubro de 2009

Dias Cinzentos

Porque é que sinto que a minha alma é turbulenta? Porque sinto que o meu coração não sossega e o meu cérebro não adormece?
Porque é que todos os dias me olho ao espelho e vejo alguém diferente?

Chego á conclusão que nâo me conheço, nunca me conheci e nunca me hei-de conhecer...
Pensei que me conheciam e que me podiam ajudar a conhecer-me a mim própria... Mas é sempre tudo um engano....

Quanto mais procuro, mais sozinha me sinto e cada vez mais incompreendida... Mas se eu própria não me compreendo... Como poderão os outros conhecer-me?!

Enfim... I think I'm a lonely person...

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Dias...

Em dias em que só apetece desaparecer para o mundo... Refugiar-me no meu canto... E desejar que todas as pessoas se esqueçam de mim!!

domingo, 25 de outubro de 2009

Pensamentos...........................................

Quando leio algumas coisas que escrevo em rompantes de raiva e de dor... Sinto-o tão profundamente como se tivesse acabado de o escrever no momento... E as lágrimas assomam-me aos olhos... É difícil descrever o porquê de me sentir assim... Mas é uma dor... E lamento magoar as pessoas, a quem as palavras são dirigidas em momentos de raiva impetuosa...
Há dias em que acordo assim... Inexplicávelmente enlouquecida... Inexplicávelmente triste e sozinha...
E depois há dias... Em que me sinto assustadoramente feliz...

Hoje não é nenhum desses dias... Hoje é apenas um dia em que já não me sinto tão perdida... Mas mesmo assim... Inexplicávelmente confusa!
Quero deixar de tentar racionalizar tudo o que se passa há minha volta... Tentar não perceber tudo o que acontece... E apenas... Viver... Viver o quê? Nem sei... Mas viver...

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Palácio de Cristal ou Fundo do Poço? Não sei...

Aqui estou eu... Talvez no topo do meu palácio de cristal, ou no fundo de um poço perdido no meio de nenhures.
Sinto-me só... Já não me sentia assim há muito tempo.
Olho há minha volta, e os amigos que permanecem são muito poucos. Os que quero realmente manter, por um motivo ou por outro, parece que tenho tendência para os afastar.
Será que cometo erros? Ou melhor todos cometemos erros, como tal eu também erro, até porque sou humana e não uma máquina. O que eu pretendia dizer na realidade, é... Será que errei assim tanto, com as pessoas que queria manter, que as perdi?
O que fazer para as trazer de volta? Ou então, para não perder mais ninguém?
Já não sei o que fazer... Sinto-me desesperada... Sinto-me triste... Perdida mesmo...
Sinto que tento procurar uma saída e não consigo... Como é que eu deixei que isto chegasse a este ponto?
Porque sou uma idiota...

Porque me assustei e consequentemente te assustei... E agora... A vontade que tenho é, como se fosses uma bolinha de papel, dar-te um piparote e pôr-te a andar da minha vida... Mandar-te para o sítio que queres ir... E nunca mais te ver... Porque no fundo é essa a tua vontade... Percebo-te, leio essa verdade em todos os teus gestos, falas... Não é por aquilo que eu te disse... Mas sim por outra coisa qualquer que eu não sei, porque tu não falas e porque eu não sei se quero falar... Porque eu procuro não te falar, direcciono todas as minhas forças no sentido de não te procurar, de não te dar notícias, porque na realidade... Tu não fazes esforço nenhum por dar... Porque raio hei-de ser eu a perder tempo, a escrever uma mensagem, que nem sabe se vai ser respondida?!

Tou cansada de viver nesta realidade... Sou carente? Admito que o sou. Preciso de colo? Sim preciso. Ninguém me entende ou sabe o colo que preciso? Não é bem assim.... Perdi um amigo? Talvez...
A porra da vida dá voltas e voltas.... E eu tou farta de dançar ao som da respiração dos outros, ao sabor do vento... Talvez á espera que o vento me leve para algum lado...
Tou cansada... Farta, na realidade... E cada vez mais sozinha!

Tomaste a tua decisão, né? Respeito, né? Respeito será! Sê feliz!
A vida é mesmo assim... Seguir em frente, sem olhar para trás. Esquecer o que se passou e continuar a caminhar. Deves-me um texto... Mas já nem disso te deves lembrar... Já to pedi há anos... Ou pelo menos, parecem-me anos... Não é necessário... Quanto mais ficar para me lembrar... Mais dificil será esquecer...

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

O principezinho (esta é para ti!)

"... Julgava-me muito rico por ter uma flor única no mundo e, afinal só tenho uma rosa vulgar...
Foi então que apareceu uma raposa .
- Olá, bom dia! disse a raposa.
- Olá, bom dia! - Respondeu delicadamente o princepezinho...
-Anda brincar comigo - pediu o princepezinho. Estou tão triste...
- Não posso ir brincar contigo - disse a raposa. - Ainda ninguém me cativou...
Andas á procura de galinhas? (diz a raposa)
Não... Ando á procura de amigos. O que é que "cativar" quer dizer?
... Quer dizer que se está ligado a alguém, que se criaram laços com alguém.
Laços?
Sim, laços - disse a raposa. - ...
Eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens necessidade de mim. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo e eu serei para ti, única no mundo...(raposa) Tenho uma vida terrivelmente monótona...
Mas se tu me cativares, a minha vida fica cheia se Sol.
Estás a ver, ali adiante, aqueles campos de trigo? ... não me fazem lembrar de nada. É uma triste coisa! Mas os teus cabelos são da cor do ouro. Então quando eu estiver cativada por ti, vai ser maravilhoso! Como o trigo é dourado, há-de fazer-me lembrar de ti...
- Só conhecemos as coisas que cativamos - disse a raposa. - Os homens, agora já não tem tempo para conhecer nada. Compram as coisas feitas nos vendedores. Mas como não há vendedores de amigos, os homens já não tem amigos. Se queres um amigo, cativa-me!
E o que é preciso fazer? - Perguntou o princepezinho.
- É preciso ter muita paciência. Primeiro, sentas-te um bocadinho afastado de mim, assim em cima da relva. Eu olho para ti pelo canto do olho e tu não dizes nada . A linguagem é uma fonte de mal-entendidos. Mas todos os dias te podes sentar mais perto...
Se vieres sempre ás quatro horas, ás três já eu começo a ser feliz...
Foi assim que o princepesinho cativou a raposa. E quando chegou a hora da despedida:
- Ai! - exclamou a raposa - Ai que me vou pôr a chorar...
... Então não ganhaste nada com isso!
- Ai isso é que ganhei! - disse a raposa. - Por causa da cor do trigo...
Depois acrescentou:
- Anda vai ver outra vez as rosas. Vais perceber que a tua é única no mundo.
O princepesinho lá foi... - vocês não são nada disse-lhes ele. - Não há ninguém preso a vocês... - não se pode morrer por vocês...
... A minha rosa sozinha. vale mais do que vocês todas juntar, porque foi a ela que eu reguei, que eu abriguei... Porque foi a ela que eu ouvi queixar-se, gabar-se e até, ás vezes calar-se. Porque ela é a minha rosa.
E então voltou para ao pé da raposa e disse:
- Adeus...
- Adeus - disse a raposa. - vou-te contar o tal segredo. É muito simples:
Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos...
Foi o tempo que tu perdes-te com a tua rosa que tornou a tua rosa tão importante.
- Os homens já se esqueceram desta verdade - disse a raposa. Mas tu não te deves esquecer dela.
Ficas responsável para todo o sempre por aquilo que está preso a ti. Tu és responsável pela tua rosa..."


Antoine De Saint-Exupéry

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Desejo... (continuação)

E entretanto acordamos... E tudo não passou de um sonho!
Voltamos à realidade, ao stress do dia-a-dia, para as pessoas que amamos e a única coisa que fica é lembrança do que foi ou poderia ter sido... E vivemos o que é e o que poderá ser!

Noutros casos... A consciência acusa presença e obriga a que sejamos controlados.
Será mau, ser controlado?
Não creio... A sensação de que cada um é capaz de cuidar de si e decidir o seu destino.... Que sensação...
É óbvio que para isso acontecer, ficarão pensamentos do género: Como seria? E se...? Será...?
A realidade... Será que se as coisas acontecessem iria mudar alguma coisa da nossa vida? Ou as nossas decisões? Ou os nossos sonhos?

Maioritariamente? Não creio!
Simplesmente?
É melhor deixar tudo como está!

sábado, 3 de outubro de 2009

I'm a Bitch I'm a Lover

"I hate the world today
You’re so good to me, I know
But I can change
Tried to tell you
But you look at me like maybe
I’m an angel underneath In a sentence sweet

Yesterday I cried
Most have been to see the softer side
I can understand how you’d bee so confused
I don’t envie you
I’m a little bit of everything
All roled into one

I’m a bitch I’m a lover
I’m a child I’m a mother
I’m a sinner I’m a sant
I do not feel ashamed
I’m your hell I’m your dream
I’m nothin’ in between
You know, you wouldn’t want it any other way

So take me as I am
This may meen, you’ll have to be a stronger man
Jused to shooter, when I start to make you nervous
And I’m going to extreem’s
Tomorrow I will change and today won’t meen a thing

I’m a bitch I’m a lover
I’m a child I’m a mother
I’m a sinner I’m a sant
I do not feel ashamed
I’m your hell I’m your dream
I’m nothin’ in between
You know, you wouldn’t want it any other way

Just when you think
You got me
Figger out the seasons all ready changin’
I think it’s cool, you do what you do
And don’t try to sing this

I’m a bitch I’m a lover
I’m a child I’m a mother
I’m a sinner I’m a sant
I do not feel ashamed
I’m your hell I’m your dream
I’m nothin’ in between
You know, you wouldn’t want it any other way

I’m a bitch, I’m tease
I'm a goddess on my knees
When you're hurt
When you suffer
I'm your angel undercover I've been numb
I'm revived
Can't say I'm not alive
You know I wouldn't want it ANY other way"


Meredith Brooks

Desejo...

E o que é o desejo?

Uma série de impulsos e de vontades?
E são controláveis?
Ou são incontroláveis?

Durante muito tempo, considerei o desejo como algo inalcansável, ou seja, só desejamos o que não podemos ter... O conceito de "o fruto proibido, é o mais apetecido".
E afinal... Quando conseguimos o que queremos? É correcto? Estaremos a fazer o que é o mais certo? Então, mas se é o que queremos e gostamos, qual é o problema? O conceito de "só vivemos uma vez".

No fundo... O desejo, é o "sentimento" mais animalesco que o ser humano tem. E digo isto, porque o ser humano não controla as suas vontades; ou pelo menos, se consegue controlar, nunca é totalmente, porque chega a um ponto em que cede ás vontades, e todas as suas decisões e convicções, vão por água a baixo.
Será que as pessoas se atropelam umas às outras e ás suas vidas, para realizarem os seus desejos?
Será que as pessoas não se importam com o que se passa à sua volta, desde que consigam satisfazer o seu desejo?

Creio que satisfazer os nossos desejos, as nossas pulsões e vontades, deve ser um extâse.
Nalguns casos, deve ser mesmo uma sensação de excitação, como se a pessoa estivesse drogada ou alcoolizada... Mas está alegre, sente-se bem, sente-se capaz de tudo... É melhor sensação do mundo.
Devemos viver assim? Será que toda a gente vive assim? Como se tivesse uma corda no pescoço, que vai apertando, apertando, apertando... E decide viver na adrenalina da corda bamba? Sabendo que tudo pode rebentar de um momento para o outro?

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Pensamentos de personagens célebres....

"Errar é humano, perdoar, divino." - Alexander Pope

"Eu não me envergonho de corrigir os meus erros e mudar as minhas opiniões porque não me envergonho de raciocinar e aprender." - Alexandre Herculano

"O dever do Homem perante a vida consiste em seguir sempre em frente." - Alexander O'Neill

"O melhor conselho é o da experiência; o certo, porém, é que chega sempre demasiado tarde." - Amelot de Houssauye

"A felicidade não se encontra nos bens exteriores." - Aristóteles

"É o destino que baralha as cartas, mas somos nós que as jogamos." - Arthur Schopenhauer

"O coração tem razões que a própria razão desconhece." - Blaise Pascal

"Não há fórmula ou solução perfeita. Há uma corrente de eventos contra a qual não se pode ir mas com a qual se pode navegar." - Charles Handy

"A nossa glória não resido no facto de nunca cairmos, mas sim em levantar-mo-nos sempre, depois de cada queda." - Confúcio

"Não abandones um velho amigo, que os novos valem sempre menos" - Eclesiastes

"Só me sinto verdadeiramente Eu, quando sou insuportávelmente infeliz." - Franz Kafka

"Quando o Homem sabe reconhecer os limites da própria inteligência, está mais perto da perfeição." - Goethe

"A ira não é mais do que uma loucura momentânea: por isso controla a tua emoção ou ela controlar-te-á." - Horácio

"Nunca te desculpes: os teus amigos não precisam de desculpas e os teus inimigos não acreditam nelas." - Hubbard

"Quando se fecha uma porta para nós, há outra que se abre. O mal é que ficámos tão ressentidos com a porta que se fechou, que não nos apercebemos da que se abriu." - J. P. Schmitt

"Paciência e tempo, conseguem mais que força e raiva." - La Fontaine

"Não nos libertamos de um hábito atirando-o pela janela; é preciso fazê-lo descer a escada, degrau a degrau." - Mark Twain

"A liberdade nunca é voluntariamente concedida pelo opressor, deve ser exigida pelo oprimido." Martin Luther King

"O génio, é a arte de ser oportuno" - Napoleão Bonaparte

"Aquele que usa palavras difíceis não está a tentar informar-te, está a tentar impressionar-te." - O. Miller

"Muitas pessoas preocupam-se em não falar com a boca cheia, mas não se preocupam em fazê-lo com a cabeça oca." - Orson Welles

"Ninguém anseia por aquilo que facilmente obtém." - Ovídio

"Não há nada no mundo que esteja mais repartido que a Razão: toda a gente está convencida de que tem razão de sobra." - René Descartes

"Eleva a tal ponto a tua alma, que as ofensas não a possam alcançar." - René Descartes

"Se te queres conhecer, observa os outros; se queres entender os outros, olha para o teu coração." - Shiller

"As pessoas pedem críticas, mas o que realmente querem é ser louvadas." - Somerset Maugham

"O amor, não vê com os olhos, mas sim com a alma." - William Shakespeare

"As coisas raramente são boas ou más, a nossa mente é que as torna assim." - William Shakespeare

sábado, 26 de setembro de 2009

Não sei

E o tempo passa... O Outono já chegou, já acabaram as noites quentes de Verão e das loucuras... E no entanto, continua a estar tanto calor como se estivássemos no Verão.
Será que as hormonas das pessoas irão continuar aos saltos? Será que a loucura não passou, porque ainda está calor?

Tantas palermices que se dizem e pensam...
Fazem bem, os que vivem o dia a dia, sem pensarem nem no passado nem no futuro. Mas ao mesmo tempo, não serão inconscientes e pouco constantes?

Viva ao regresso à escrita... No entanto, sem coerência nenhuma!
Nada do que escrevo tem lógica ou é racional... Estarei a perder a minha lógica e a minha racionalidade? Muito embora, apareçam dias em que a única coisa que apetece é fazer coisas sem nexo e em que ninguém tenha consciência....
Do género... Acordar no dia seguinte, perfeitamente normal e sem nenhum tipo de peso... Mas a realidade, é que são poucas as pessoas que o fazem...
Não sei se é preciso coragem, ou se as pessoas nascem já é assim....

Enfim... Dentro da minha cabeça, só perguntas... Nenhumas respostas....

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Nem um sorriso...

Porque hoje, foi um daqueles dias horrorosos, que nem um sorriso me arrancou da cara.
Hoje bem que quis sair de onde estava, partir à aventura... Ir em busca de raízes ou mais propriamente de um refúgio.

Mas simplesmente, não foi possível.
Nem um sorriso se esboçou ou chegou aos olhos...

A tristeza é escura... Não sei se é profunda, ou mesmo de onde apareceu; só espero que não se instale....

Desejo que desapareça. Espero bem que o faça.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Indagações

É complicado tentar manter a mente sã, quando tudo à volta nos obriga a ir noutro sentido.
Quando será que a corrente vai seguir, toda, para o mesmo lado?

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Pensamento da Madrugada

"A paz é algo que não se conquista, alcança-se."
Por algum motivo, não consigo alcançar a minha paz! Haverá alguma explicação?


domingo, 14 de junho de 2009

A Gente Vai Continuar

Tira a mão do queixo, não penses mais nisso
O que lá vai já deu o que tinha a dar
Quem ganhou, ganhou e usou-se disso
Quem perdeu há-de ter mais cartas para dar
E enquanto alguns fazem figura
Outros sucumbem à batota
Chega aonde tu quiseres
Mas goza bem a tua rota

Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar

Todos nós pagamos por tudo o que usamos
O sistema é antigo e não poupa ninguém, não
Somos todos escravos do que precisamos
Reduz as necessidades se queres passar bem
Que a dependência é uma besta
Que dá cabo do desejo
E a liberdade é uma maluca
Que sabe quanto vale um beijo

Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar

Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar


Jorge Palma

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Duas almas...

Venham todas as histórias encantadas e desencantadas...
Venham as promessas de amor para toda a vida, e os pactos de não traição.
Esta é apenas uma história como todas as outras... Um amor que aparentava ser para sempre, mas logo se acabou...

Eram duas almas sofridas, que se encontram no cumo do Verão. Apaixonaram-se sem dar por conta, e nunca mais se largaram.
Faziam tudo juntos, porque o tempo de ambos assim o permitia. Os amigos sentiram o afastamento, mas todos compreenderam. Novo amor, nova relação. Altura de descoberta e de partilha.
Eram perfeitos um para o outro, o mau feitio de um contrabalançava a teimosia do outro. E eram felizes, céus, como eram felizes.
Foi-se passando o tempo, e o tempo de ambos foi ficando menor. Entre trabalho, aulas e outras actividades, tudo ficava complicado. Mas nenhum dos dois desistiu.

De um momento para o outro, a rapariga, começa a sentir um afastamento, liga uma série de coincidências (que não eram mais do que isso) e pensa que ele a traiu. Começa a sofrer, e a chorar, e o coração parte-se e definha sozinho.
É que ela não é capaz de falar. Ela cala o que sente, guarda tudo dentro de si. Mesmo quando desabafa com outrem, nunca conta completamente o que sente.
Mas como ama desesperadamente, fica e tenta aguentar a relação. Talvez com esperança que tudo volte ao normal, que ele volte a olhar para ela como dantes. E a sua ilusão é tão fortemente realista, que ela já nem distingue a própria realidade.

Devido à fragilidade em que se encontra, deixa que um outro alguém se aproxime. Até se sente confusa, mas a realidade é apenas essa, uma ligeira confusão, criada pela sua mente e não pelo seu coração. Mas quem se aproximou é insistente, até desafiante, cria imagens perfeitas de algo que não existe, e quer obrigá-la a escolher. Ao sentir o peso de uma escolha nos ombros, escolha essa que nunca quis fazer, decide ficar como está, sem saber ao certo o que sente.
E tudo parece normalizar, mas no seu espírito, algo não ficou curado e teima em se ausentar.
E então por isso, acaba-se a relação perfeita, que tanto prazer, deu a semear.

Seguem-se uma série de confusões e mais umas quantas indagações.
Uma série de suspeitas, mas nenhumas constatações.
Assumem que houve traição, mesmo sem ter havido, apenas porque foram feitas escolhas com que ninguém está de acordo.
Se ela assumiu que pensou mal, ao achar que ele a tinha traído; todos os amigos que seriam comuns, acham que ela o traiu a ele e a eles todos.

Ninguém compreende a necessidade de tristeza e de abstenção. Ninguém compreende a necessidade de ver novas caras e novos locais.
Todos acham que se deu uma troca por troca, quando na realidade, foi apenas uma mudança temporária.
Mas como ninguém aceita, começam com acusações.

Com o feitio que tem, ela chateou-se com meio mundo, quase mesmo até com quem não se queria chatear.
Apesar dos novos amigos, sente-se um pouco sozinha.
Sente falta daqueles com quem cantava e ria, não é que não o faça agora, mas é tudo diferente.
E ele... Ele vai-se afastando porque se encontra magoado.
Encontra-se magoado, com a desconfiança dela, com aquilo que considerou mentiras, com a suposta traição, com as indecisões dela, tudo ajudado com aquilo que lhe foram dizendo. E como é óbvio, cria-se uma autêntica salada russa.

Ela não sabe o quer quer. Só sabe que sente saudades... E, céus, são bastantes... Mas ao mesmo tempo, quer estar assim, sozinha...
Mas ele não compreende, e ela não sabe explicar.

E no meio disto tudo...
Ficam as lágrimas para contar história.
E não há mais nada a dizer!

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Maria...

Todas as noites, alguém olha para o céu em busca de algo que não sabe o nome.
Olha para as estrelas e questiona-se, sobre o seu Futuro; e, talvez, no meio dessas indagações encontre algumas respostas ás atitudes que teve no seu Passado.

E foi assim que eu conheci a Maria, ao pé do rio, num banco de pedra.

Ela estava a olhar para o céu, e além da sua expressão pensativa, jorravam-lhe lágrimas pela face. Lágrimas essas que ela nem se esforçava por controlar.
Nunca lhe perguntei, o que se passava com ela, mas até hoje acredito piamente, que se encontrava a lavar a sua alma de todos os despojos do seu Passado.

A Maria era uma jovem que se considerava com uma beleza puramente normal, e possivelmente, por isso mesmo, é que não tinha noção da quantidade de cabeças que se viravam, apenas para a ver passar.
A realidade, é que a Maria tinha uma beleza exótica. Não era bonita, mas era extremamente atraente. Uma bela morena; de olhos castanhos enigmáticos, que pareciam prometer o universo; uns lábios carnudos, mas não excessivamente; de uma estatura mediana cheia de curvas. Vestia-se com gosto e elegância; e tinha uma presença profundamente marcante.

Apesar de todos os atributos físicos, Maria tinha um problema em encaixar-se na sociedade. Ela era extremamente tímida! E talvez, por isso mesmo, me intrigue tanto o acontecimento daquela noite de Verão, quando nos falámos pela primeira vez. Afinal, com o tempo que foi passando, fui conhecendo, cada vez melhor, a sua personalidade.

Descobri, que aquele lugar ao pé do rio, tinha um tremendo significado para ela, pois passara os melhores momentos da sua vida, a partilhar aquela vista e aquele céu, com alguém muito especial.
Alguém que tinha partido, e que ela ainda não tinha sido capaz de aceitar essa dura realidade.
Tivemos longas conversas, eu e a Maria.
Ela disse-me que sonhava em conhecer locais bonitos, em que se complementassem as paisagens pacíficas de prados verdejantes e de montanhas, com lagos, rios ou mar, de um azul cintilante. Disse-me que gostava de viajar pela Europa, para descobrir o que os nosso antepassados criaram, nas suas conquistas de novas terras. Disse-me que gostaria de ter mais noções de literatura, arquitectura, pintura, música... Tudo o que a fizesse sentir feliz, já que ela não se sentia assim há muito tempo.

Com a Maria, descobri que é possível viajar dentro da nossa cabeça, e visitar todos os sítios que queremos, sem demorar horas ou dias. Descobri que, toda a sua força de vontade residia na Fé que tinha no coração, e no facto de nunca questionar o que lhe acontecia de mau ou de bom.
Com ela, descobri que a amizade é algo que se cultiva, que é preciso cuidar, dar atenção, amor e carinho; para que ela não morra de um momento para o outro!
Com ela aprendi, que existem pessoas que passam na nossa vida, mas que não têm necessariamente de permanecer. São pessoas que passam na nossa vida, para nos transmitir algo, para nos falar das suas experiências, para nos mostrar coisas novas. Também aprendi, que as pessoas que permanecem nas nossas vidas, são importantes para nós, e que criam algum tipo de laço visceral, que não se corta, só porque sim.

A Maria, foi apenas uma pessoa que passou na minha vida. Ensinou-me o que tinha para me ensinar, e partiu, possivelmente para ensinar mais alguém ou vir a conhecer a tal pessoa com quem poderia criar um laço visceral.

De tempos a tempos, tenho notícias dela. Sei que está bem, sei que é uma pessoa mais sociável, com um bom trabalho, com uma família espectacular. E que, acima de tudo, está sempre com um sorriso fenomenal no rosto.

E foi essa a lição mais preciosa que a Maria me deu:

"Vais encontrar muitas pessoas no teu caminho; o caminho que vais ter de percorrer sozinha ou acompanhada, consoante a escolha que tu fizeres. Vão existir pessoas, com quem irás sentir uma empatia imediata, pessoas essas com quem vais criar laços tão fortes, que só a ideia de se chatearem te iria deixar doente. Também vais encontrar pessoas, que automaticamente, te vão deixar com o pé atrás, e que saberás imediatamente que não se preocupam nem contigo, nem com o teu bem estar.
Por isso te digo, aconteça o que te acontecer, façam-te o que fizerem, está sempre com um sorriso nos lábios.
O sorriso desarma qualquer tentativa de maltratar e de inferiorizar.
Como é óbvio, vão tentar pisar-te, sempre. Mas nunca deixes que te façam sentir inferior, imprestável e acima de tudo, burra! Não te rebaixes!
O sorriso, é a melhor arma que uma pessoa tem, para desarmar os inimigos!
Por isso lembra-te, nunca deixes de sorrir. Sorri á vida para que ela te sorria de volta!"

E foi assim, que a Maria passou na minha vida!

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Preciso

Quero paz.

Quero encontrar-me na imensidão deste mundo.

Não sei o que me falta, não sei o que me prende aqui.

Talvez me falte o espírito aventureiro, talvez me falte a coragem de partir em busca de novos rumos, em busca de um mundo novo para mim!

Preciso de me encontrar!

domingo, 31 de maio de 2009

Quem sou eu?

Dou comigo a perguntar quem sou eu, sistemáticamente.
E não encontro resposta...

Tenho amigos que dizem que não sou o que era, pessoas que acabo por magoar de forma inconsciente.
Sinto-me doente, extremamente triste.
Sinto vontade de me enclausurar em casa, de forma a não trazer mal a ninguém.

Estou a precisar de sair daqui, e talvez, de não regressar...

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Praia das Bicas

Será possível que um prazer tão simples, como praia e sol, que tinha desaparecido de mim, regressasse com a força e a energia que veio hoje?!

Ainda me sinto extasiada pela sensação das ondas a bater-me no corpo, o sabor salgado que fica nos lábios, a imensidão do mar, a paisagem em volta... O sol... O calor... Sei lá!
Foi uma mistura de sensações e recordações, e que bom que foi!

Minhas queridas... Quero repetir, por favor!!

Adoro-vos!!


Escolhi esta imagem, muito embora, não dê para retratar nem metade daquilo que eu vi, ou percepção que eu tive! É linda!!!

terça-feira, 26 de maio de 2009

Take Me Away

How long will I keep this candid camera smile?
My muscles hurt, I better rest for a while
Breathing is the only thing that keeps alive
All this oxygen, crushes me, leaves me so tight
Let me out...

My pain is leading, I got no control from now
Don't try to help me, I don't want to put you down
All my reasons will be misunderstood,
I wish you well, in here there's nothing good

My heart is rotten with all the worst kind of disease
It tries to be better but all it can do is bleed
I'm so tired of myself
Oh God please take me away and bring someone else

One of my friends believes in what she reads
And she's always talking about the end of the century
But listen, have you ever stopped to realise
That if it happened there would be noone to feel alone?
No pain at all...

I should be going, so much damage I've done
So many tears and still alot more to come
Excuse, don't push my wheel chair
I don't want to go anywhere

My heart is rotten with all the worst kind of disease
It tries to be better but all it can do is bleed
I'm so tried of myself
Oh God please take me away and bring someone else

Alone, I don't care
And now all I remember is the smell of your hair

Silence 4

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Arrependimento? Não!

Vagueio pelas noites da cidade, perguntando-me se pensas em mim.
Será que o arrependimento, surgio ao final de umas horas?
Ou talvez, apenas o interesse se tenha esfumado no ar?
Terás pensado que tudo foi repentino?

De que me vale pensar, se não encontro respostas às minhas perguntas?
Sei que não me arrependi, de me ter deixado levar pelo impulso.
Sei também, que muitas vezes a Razão, me impediu de viver coisas que até poderiam ter sido boas para mim.
Desta vez, decidi, plenamente consciente das minhas capacidades, que me iria deixar levar.
De que adiantava fugir à vontade?!
A realidade é que sabia, que poderia acontecer mais cedo ou mais tarde.
E isto não tem um pingo de convencimento, mas sim apenas uma leitura profunda e cautelosa de todos os sinais.

Sei que jamais me deixei levar assim, e de adormecer nos braços de alguém que não é "meu".
Foi uma novidade, fresca e reconfortante.
Uma descoberta, se é que o posso chamar assim.
Sim, uma descoberta dos sentidos e do tacto.
Da personalidade e da capacidade de oratória.
Um trocar de ideias e de tactos, ao de leve e ao mesmo tempo de forma profunda.
Na realidade... Não pensei ter coragem, para me deixar levar.
Mas fui capaz de o fazer, pelo meio da inebriez do álcool, e da energia que se encontrava no ar. Mais forte, do que se pensava.
Quando dei por mim... Já me tinha atirado de cabeça...
Correspondeste e foste mais além, mais do que eu poderia pensar.
Apenas sei que me senti segura.

No fundo, não era isso que eu procurava?!
Uma sensação de segurança...
Sim! E encontrei-a.
Espantosamente, perto, ali, em ti!

quinta-feira, 14 de maio de 2009

"Can't we be friends?"

I thought I'd found the girl of my dreams
So it seems this is how the story ends:
She's goin'to turn me down and say
"Can't we be Friends?"

I thought for onceit couldn't go wrong
Not for long! I can see the way this ends:
She's goin'to turn me down and say
"Can't we be Friends?"

Never again! through and with love
And through with them!
They play their game without shame,
And who's to blame?

I thought I'd found a girl I could trust
What a bust! now I see the way this ends:
She's goin'to turn me down and say
"Can't we be Friends?"

Never again! through and with love
And through with them!
They play their game without shame,
And who's to blame?

I should have seen the signals and stopped
What a flop! now I see the way this ends
I'll let her turn me down and say
"Can't we be Friends?"

I thought I'd found the girl of my dreams
So it seems this is how the story ends
I'll let her turn me down and say
"Can't we be Friends?"


Jamie Cullum

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Retorno

Será que tudo volta?
Será que voltam os sonhos, os sentimentos, os sentidos, as vontades...
Será que tudo volta?

Perco-me na ânsia de entender o que vai na minha cabeça e no meu coração, procuro buscar a verdade que se esconde por trás da razão do meu ser, e não encontro resposta.
Sinto necessidade de saber se o meu coração e a minha cabeça se encontram interligados, ou se sentem de forma independente.
Preciso ler, dentro de mim, se o que sinto é falta ou se é apenas alimento para o meu ego gigantesco, que se encontra farto.

O meu ego sente-se tão cheio, tão puramente satisfeito, que faz a minha cabeça ficar confusa e o meu coração indeciso.
Terei tomado a melhor decisão?
Será que realmente era isso que eu queria?
Passou um mês, e no entanto não parece uma eternidade, parece sim que foi um retorno às raízes. Um retorno ao nosso passado. Um retorno aos tempos gloriosos que passámos juntos.
Aos nossos passeios, almoços, jantares, a tudo o que fazíamos juntos.
Parecemos um casal feliz, mas um casal que não se beija, que não anda de mão dada, que não se toca...

E no fundo era o que queria?
Manter uma história estranha? Manter-te preso a mim? Querer-te comigo eternamente, sem te ter?
Sou tão terrivelmente egoísta, e ninguém quer ver!
No entanto... Penso em ti com outras mulheres, e não me incomoda. A realidade é que não te vejo com ninguém. Imagino-me única, grandiosa, rainha na tua vida e no teu coração.
Não será isto, mais que uma prova do meu egoísmo? Do meu egocentrismo?
Porque será que nada sinto?
Saberei tão certamente que és meu, e que faça o que eu fizer, voltarás sempre para mim, que nada me incomoda?
Tomar-te-ei por tão certo, que nem a hipótese de te interessares por alguém me assola aos pensamentos?
Porque ajo eu assim? Porque sinto que brinco contigo, como se eu fosse um gato e tu, o meu novelo de lã?!
Sinto-me odiosa, por não ter respostas para as tuas perguntas, nem para os teus sentimentos.
Quero-te guardar para sempre, é a única coisa que sei.
Será que acho, que este modo, é a única forma de não te perder?

Acabo por desejar um retorno às raízes. Quando ainda nada sentia por ti, e o meu mundo parecia desabar, por conta de outrem. E tu foste o amigo, o confidente que se tornou em companheiro, em amante, em vida, em ar... E que de um momento para o outro, sem nada que o justifique, voltei a transformar em amigo e confidente.
Porque o fiz?! Não sei a resposta...
Talvez apenas sentisse necessidade de estar livre e de me sentir viva, de sentir que controlava a minha vida.
Sinto-te a falta, e hoje quase que vacilei perante a pergunta tão directa que me fizeste, mas a realidade... É que preciso de me conhecer um pouco mais, para me poder dar a conhecer aos outros.
Quem sabe se no Futuro, não me sinta preparada para entregar a minha vida, o meu amor, a minha amizade, a minha dedicação, o meu carinho, o meu ombro... Todo o meu Eu, a ti, novamente!
Só o Futuro o dirá!

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Cansaço

Cansaço extremo, puro e duro...
Cansaço que nos leva a querer desistir...
Cansaço que nos tira a vontade de rir...
Cansaço que não curo!

Cansaço que quero pôr para trás das costas...
Cansaço a que, em parte, me quero abandonar...
Cansaço que só me faz cansar...
Cansaço que me faz ficar em postas!

Cansaço que me tortura...
Cansaço que me atormenta...
Cansaço que me lamenta...
Cansaço que não se cura!

Cansaço que me destrói...
Cansaço que me queima...
Cansaço que é uma teima...
Cansaço que se constrói!

Cansaço que não me deixa...
Cansaço que não me larga...
Cansaço que me embarga...
Cansaço que só se queixa!

Cansaço que me deseja a morte...
Cansaço que me faz tentar desaparecer...
Cansaço que me faz sofrer...
Cansaço que não me muda a sorte!

terça-feira, 28 de abril de 2009

Declaração de Amor

Esta seria a melhor declaração de amor que me poderiam fazer:

"Provavelmente não iremos ficar juntos para sempre, e sim, a nossa vida, de certo, não irá ser nenhum mar de rosas.
Provavelmente, mais tarde ou mais cedo, iremos querer separar-nos e as nossas vidas poderão seguir rumos diferentes.
Provavelmente, os nossos gostos não serão os mesmo, e vamos discutir por causa deles. Provavelmente não iremos sorrir para sempre.
Provavelmente o formato: ...E foram felizes para sempre; não se irá adequar a nós.
Provavelmente até podemos não ir de férias para fora do país, como sempre sonhaste.
Mas...
Vou tentar fazer-te sorrir o tempo todo, porque tens o sorriso mais lindo e brilhante do mundo e eu adoro-o.
Vou levar-te a ver o põr-do-sol, todos os dias ao pé do mar, porque sei que adoras.
Vou levar-te a passear sob as estrelas e a ver a lua, porque te sentes feliz.
Vou comprar-te flores, sem nenhum motivo em especial, porque é algo que te surpreende.
Vou levar-te a jantar fora, só porque sim, ao teu restaurante preferido.
Vou fazer com que todos os dias juntos se tornem especiais, apenas porque tu e eu merecemos.
Vou levar-te a comer um gelado, com os três sabores que gostas: limão, morango e meloa.
Vou tentar provar-te todos os dias que te amo, e que mereço a alegria de estar ao teu lado!!"

Talvez um pouco egocêntrica, mas adorava que me dissessem isto!

domingo, 26 de abril de 2009

Apagar Vestígios...

Quando guardamos algo dentro de nós, durante demasiado tempo e damos oportunidade para que cresça, quando na realidade deveria ficar adormecido e escondido. É necessário apagar vestígios, apagar as marcas que o tempo e o cansaço vão deixando, de forma a conseguir dizer: Fim!
Foi isso que fiz hoje... Apagar vestígios e memórias escritas no tempo. Mas como são escritas do passado e não perduram para o futuro, não fazem falta no presente.

Apaguei os teus vestígios... E devo apagar este último...
Não faz sentido continuar vivo...
Todo ele é um grito que não atendeste.
Não faz sentido mantê-lo!

Foi...

Horas que passam...
Apenas a embriaguês me deixa falar,
Apenas ela me permite delirar,
Sonhar com o que passou, entre olhares que acordam.

Tu... Fazes-me acordar para a realidade,
Fazes-me ver o que perdi,
O sentido, o Norte, a ti...
A minha alma sente-o, com toda a profundidade!

Ficam as tremuras, os arrepios, as lágrimas, cá,
Bem dentro, bem fundo de mim.
Um silêncio, um final assim,
Não dá direito a um: Até já!

Doí-me, dilacera-me alma, ver-te feliz, contente
Quero partir, sair daqui, desaparecer...
Quero desvanecer-me no ar, quero-me perder...
Quero esquecer tudo o que passou e que me deixa descontente...

Não te quero afastar, mas é melhor para mim...
Fazes-me bem e fazes-me mal.
Nunca me tinham feito sentir tão banal...
Hoje senti que foi o Fim!

sábado, 25 de abril de 2009

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Chuva

E agora diz-me se já decidiste
O tempo voa e a tua imagem ainda persiste
Ainda sinto a nossa chuva mágica a cair
Tens o tempo de um cigarro se ainda quiseres partir
É como andar no deserto,
Sempre tão longe e tão perto
Olho à minha volta,
O mundo é tão incerto
Quero-te dizer que não vai dar
Quero só saber se vens ou queres ficar
Eu sei que não vou partir sozinha
Sinto o vento, sinto a estrada, sinto o fim da linha.
Tudo passa, voa como folhas de jornal
Meia volta, pára como um carro no sinal.
É como andar no deserto,
Sempre tão longe e tão perto
Olha à tua volta,
o mundo é tão incerto
Quero-te dizer que não vai dar
Quero só saber se vens ou queres ficar
Quero-te dizer que não vai dar
Quero só saber se vens ou queres ficar
Se vais ou queres ficar…
Se vais ou queres ficar…

Lúcia Moniz

Love Will Tear Us Apart

When the routine bites hard
And ambitions are low
And the resentment rides high
But emotions wont grow
And were changing our ways,
Taking different roads
Then love, love will tear us apart again

Why is the bedroom so cold
Turned away on your side?
Is my timing that flawed,
Our respect run so dry?
Yet theres still this appeal
That weve kept through our lives
Love, love will tear us apart again

Do you cry out in your sleep
All my failings expose?
Get a taste in my mouth
As desperation takes hold
Is it something so good
Just cant function no more?
When love, love will tear us apart again

Joy Division

Easy

Know it sounds funny but
I just cant stand the pain
Girl Im leaving you tomorrow
Seems to me girl you know
Ive done all I can
You see I begged, stole and I borrowed
Yeah
Thats why Im easy
Im easy like sunday morning
Thats why Im easy
Im easy like sunday morning
I wanna be high
Soo high
I wanna be free to know the things I do are right
I wanna be free
Just me
Oh baby
Thats why Im easy
Im easy like sunday morning
Thats why Im easy
Im easy like sunday morning


Faith No More

Pensamento da Madrugada

"Quem procura, acha!"

Há coisas que mais vale não sabermos. Inconscientemente procuramos saber, mas apenas nos fazem mal.
Até que ponto é bom "voltarmos ao passado" ou a uma simulação do mesmo?
É bom ter saudades... Mas até que ponto nos fazem bem?

Sem dúvida... Há coisas que mais vale não sabermos!

terça-feira, 21 de abril de 2009

Mais um dia

Mais um dia que passa...
Agarro-me às amarras que me prendem à vida!
A minha alma anda perdida,
Tal como uma pomba que esvoaça.

Não sei o que me faz procurar por mais um nascer do sol,
Não sei o que me faz olhar para mais um céu estrelado.
Não sei porque sinto este peso a mim atrelado,
Semi-embriagado pelo excesso de álcool.

Quero esquecer que te tive,
Quero esquecer que te senti,
Quero aprender a viver sem ti,
Pois a minha alma já aqui não vive!

Gostava de te conseguir sorrir...
Um leve sorriso apenas, poderia ser!
Daqueles que chegam aos olhos e continuam a crescer,
E que simplesmente não querem partir...

Mas acho que algo se quebrou!
Não sei bem o que aconteceu.
Acho que esmoreceu,
Acho que me abandonou.

Partiu com passinhos leves,
Passinhos silenciosos.
Ficaram os momentos preciosos,
Muito embora tenham sido breves.

Nesta minha sina...
Solidão deve ser o meu nome do meio!
Refugia-se a tristeza no meu seio,
E o resto... Por baixo assina!

domingo, 19 de abril de 2009

"A Vantagem de Existir Democracia em Moledo"


Passo férias em Moledo desde pequena, uma vez que os familiares da minha mãe são de lá. Apercebi-me que tudo o que estava escrito neste texto era tão verdade, que não resisti em partilhar um excerto do mesmo:


" (...) Felizmente que existe democracia - e, por extensão, praias muito mais democráticas. A praia de Moledo tem água fria; o vento do crepúsculo é cortante durante a Primavera e é áspero no resto do tempo (tirando seis ou sete tardes de Verão); a ondulação do seu mar, longe de ser amena e acolhedora - como nos bilhetes postais dos trópicos -, é agreste e cai com violência na derradeira rampa de areia; durante a maior parte das manhãs da "época balnear", há uma suavíssima neblina (ou "nevoeiro implacável", segundo os meus sobrinhos) que, beneficiando os entusiastas de paisagens, afasta os que desejam bronzear-se. Esta conjugação de factores bastaria para barrar os portões de Moledo aos veraneantes; mas, ainda assim, há gente que resiste. Ou seja, há quem não se importe de trocar o Algarve tépido, sensualista e mediterrânico pelo clima levemente invernal das manhãs do Verão de Moledo. Há, finalmente, quem não se reuna sob o pavilhão do Grande Verão do sul, quente e democrático, e mantenha o hábito de continuar a enregelar nas praias de Moledo. (...) Pois se é assim, Moledo é uma praia pouco democrática. Não tem nada do que a maioria das pessoas quer. Cheira a pinhal e a sargaço, ao nevoeiro da Galiza e a bronzeadores antigos. É uma velharia. (...)"


António Sousa Homem


Para quem não conhece, Moledo do Minho é mesmo assim!! Fica a imagem da praia de Moledo.

sábado, 18 de abril de 2009

Desabafos

O que acontece quando as pessoas se desinteressam tanto, ao ponto de simplesmente, já não querer saber?!
Como é que algo chega a um ponto de tal letargia, que já nada importa?!
Porque é que por vezes Sentir se torna em algo tão complicado; assim como Não Sentir também se torna tão complicado?

Sinto um cansaço profundo, uma impotência liderada por uma apatia profunda. Não consigo sentir vontade para nada.
Nada faz sentido para mim...
Não consigo fazer raciocínios lógicos. Não encontro explicação para o que estou a sentir. Não é Amor, mas a sensação de vazio que fica quando se acaba uma relação. Fica um vazio que foi ocupado muito tempo, por uma só pessoa. Uma pessoa que era companheira, amiga, parceira, um porto seguro, no fundo era o nosso refúgio.
Mas... Nem tudo dura para sempre. E chega uma altura em que é necessário seguir em frente e ter esperança que os "compartimentos" que ficaram vazios se preencham com outras coisas: com trabalho, com amigos, com hobbys; tudo o que o que possa aparecer para distrair a mente.
É necessário contornar a apatia e o mal estar... Mas é tão difícil, quase que sinto que é impossível...
Sinto um esgotamento emocional tão grande... E ao mesmo tempo uma carência tão grande de afecto...
O que fazer? O que pensar? Como agir?
Nada me ocorre...
Sempre disse que o tempo é o melhor conselheiro e que ajuda a curar os maiores males... Então porque será que sinto que o tempo não me está ajudar? Ainda que tenha passado pouco tempo, deveria sentir-me um pouco mais feliz do que me sinto agora. na realidade sinto-me um pouco triste. Mas não estou arrependida. Sinto falta de muitas coisas, mas não sou capaz de voltar com uma decisão atrás, apenas porque me sinto profundamente Só.
Sinto que as oportunidades, as chamadas "portas abertas", passaram por mim e que eu não soube aproveitar, e chego à conclusão que para mim não devem estar destinadas "janelas".
Fico eu e apenas eu , no meu mundo, à espera que algo apareça e me seduza... Algo como um pôr-do-sol, numa tarde de Verão, ou um céu estrelado em noite de Lua cheia.
Espero não me sentir Só para sempre...

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Pensamento da Madrugada

"E venha o belo copo de vinho e as jantaradas com as amigas!!"

É bom para manter a mente e o espírito ocupado, enquanto a nível profissional se vai desenhando, ténuamente, um futuro glorioso! Quiçá!! :)

I'll keep on waiting!!

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Heaven or Las Vegas

Wholl ever win?
Gee, youre just so ephemeral
Go back for new
For new in vain, it failed

Singing on the famous street
I want to love me
Am I just in heaven or las vegas
Its so much more brighter than the sun is to me

Hes a hustler
Its a role, hell never make a suit
Hang on to this
So stay and spin and fail and fail
Wholl ever win?
Gee, youre just so ephemeral
Go back for new
For new in vain, it failed

Singing on the famous street
I want to love me
Am I just in heaven or las vegas
Its so much more brighter than the sun is to me
The chill must itch in my soul
Thats like any old playing card
It must be why Im thinking of las vegas
Its why its more brighter than the sun is to me

Furthermore, lets blast it off
Im dizzy so I go, another bit it off
Come fantasy, for a carnival
Im empty before our(a? ) wedding

Singing on the famous street
I want to love me
Am I just in heaven or las vegas
Its so much more brighter than the sun is to me
The chill must itch in my soul
Thats like any old playing card
It must be why Im thinking of las vegas
Its why its more brighter than the sun is to me

Maybe there, while you was rail
Ill go in and seize your heart and be personal
I suspect Im singing to you a tune
And still you find the beat and sing it to you soon

Cocteau Twins

Momentos...

Existem sempre momentos, em que damos por nós a pensar no que poderia ter sido, caso tivessemos tomado uma decisão diferente.
A nível de trabalho, se tivesse seguido o 12º ano normal; se me tivesse candidatado para o Porto ou para qualquer parte do Algarve....
A nível de amizade, se a minha postura numa situação específica tivesse sido diferente, senão tivesse os meus amigos comigo quando aconteceu aquilo...
A nível amorosa, se eu me tivesse atirado de cabeça, se tivesse esperado, se perdoasse...

São tantos os "se's", que a pessoa até se sente um pouco confusa, e a isto tudo, junta-se a confusão habitual do dia-a-dia; a espera que as horas passem; o stress da viagem de casa-trabalho-casa.
Tanta coisa se junta, e no entanto, fica sempre um vazio profundo dentro de nós!
Nós não sabemos como o havemos de preencher, e ninguém nos ensina a preenchê-lo.
Por vezes, dá vontade de dar um grito, com esperança que alguém olhe para nós e perceba que precisamos de ajuda.
Por vezes, só se precisa de um sorriso, de uma festa, de um carinho... E o dia corre muito melhor.
É complicado sentirmo-nos assim, dia após dia...
Temos de aprender a viver com isso!

Borrow

You're never with me
you're never near me
What time is it?
What time?
Whose time is this?
Give yourself a chance to breathe
I'll give you the room you need

You're never here
You're never near here
What day is this?
What day?
Whose day is this?
Put me in your supermarket list
I'm here, I'm real, it's true, I do exist

Today you may feel a little sleepy
Maybe the morning is too soon
I guess I'll have to borrow
One of your sunny afternoons
But afternoons they never come
There's nothing left for me to borrow

I guess I'll try again tomorrow
I guess I'll try again tomorrow
I guess I'll try again tomorrow
I guess I'll try again tomorrow

You're wasting me
You're breaking, you're wasting me
Can this be love?
Is this?
Whose love is this?
What is wrong with you?
I don't know
No place in you for me
And me, I need you so

And if you want to be by yourself
No one disturbing, that's alright
I guess I'll have to borrow
A little of yourself tonight
But tonight it never comes
There's nothing left for me to borrow

I guess I'll try again tomorrow
I guess I'll try again tomorrow
I guess I'll try again tomorrow
I guess I'll try again tomorrow

It may seem a little hollow
But I'll try again tomorrow

There's nothing left for me to borrow
I guess I'll try again tomorrow

Silence 4

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Viva

Viva às Mudanças!!
Viva aos Novos Rumos!!
Viva aos Sonhos!!
Viva ao Acreditar!!
Viva à Possibilidade!!
Viva a tudo o que se torna possível na vida!!
Viva ao que nos faz sorrir!!
Viva ao Sol que "nasce" todos os dias!!
Viva à Lua, a minha fiel companheira!!
Viva ao manto de veludo que é o céu e ao firmamento!!
Viva à Amizade!!
Viva à Alegria!!
Viva à Lealdade!!
Viva a tudo e mais alguma coisa!!
Porque hoje, começou um novo dia!!

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Decisões

Por vezes, é necessário tomar decisões, que implicam toda a nossa calma e discernimento, compreensão e paciência.
Por vezes torna-se complicado encontrar um equilíbrio, por vezes tudo é difícil quando perdemos a nossa estabilidade.
O que nos suporta, o que nos aconchega, o que cuida de nós, o que nos dá carinho... O nosso segundo Eu!
É preciso ter força e segurança para caminhar em frente.
Mesmo sabendo que nos magoamos e que magoamos quem gostamos muito.
E a vida é assim... E continua assim...

sábado, 4 de abril de 2009

Pensamento da Madrugada

"Quanto mais longe, mais perto!"
Eu devo afastar-me, mas não consigo estar longe. Quanto mais falta sinto, mais me tento aproximar...
Mas está difícil... Acho que é uma luta vã!

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Paciência

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
A vida não pára...

Enquanto o tempo
Acelera e pede pressa
Eu me recuso faço hora
Vou na valsa
A vida é tão rara...

Enquanto todo mundo
Espera a cura do mal
E a loucura finge
Que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência...

O mundo vai girando
Cada vez mais veloz
A gente espera do mundo
E o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência...

Será que é tempo
Que lhe falta prá perceber?
Será que temos esse tempo
Prá perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara...

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Mesmo quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não pára
A vida não pára não...

Será que é tempo
Que lhe falta prá perceber?
Será que temos esse tempo
Prá perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara...

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não pára
A vida não pára não...

A vida não pára!...
A vida é tão rara!...

(Lenine)

Saudade


Saudades...
Hei-de ficar na margem, à espera, que chegue uma nova noite, um novo manto de estrelas, um novo luar... Um novo tu, e quem sabe, um novo nós...

Pensamento da Madrugada

"Antes só, do que mal acompanhado!"

É um ditado antigo, mas a realidade é que o ser humano não é capaz de estar sozinho.
E por isso mesmo, prefere estar mal acompanhado do que a solidão.
O ser humano não sabe lidar com a solidão.
Eu não sei lidar com a solidão.
Esta é uma frase que não se aplica muito bem à minha pessoa.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

The Winner Takes It All

I don't wanna talk
About the things we've gone through
Though it's hurting me
Now it's history
I've played all my cards
And that's what you've done too
Nothing more to say
No more ace to play

The winner takes it all
The loser standing small
Beside the victory
That's her destiny

I was in your arms
Thinking I belonged there
I figured it made sense
Building me a fence
Building me a home
Thinking I'd be strong there
But I was a fool
Playing by the rules

The gods may throw a dice
Their minds as cold as ice
And someone way down here
Loses someone dear
The winner takes it all
The loser has to fall
It's simple and it's plain
Why should I complain.

But tell me does she kiss
Like I used to kiss you?
Does it feel the same
When she calls your name?
Somewhere deep inside
You must know I miss you
But what can I say
Rules must be obeyed

The judges will decide
The likes of me abide
Spectators of the show
Always staying low
The game is on again
A lover or a friend
A big thing or a small
The winner takes it all

I don't wanna talk
If it makes you feel sad
And I understand
You've come to shake my hand
I apologize
If it makes you feel bad
Seeing me so tense
No self-confidence

But you see
The winner takes it all
The winner takes it all......
(Abba)

Pensamento da Madrugada

"Até mesmo a Lua nos sorri quando mais precisamos!"

Hoje, a caminho de mais uma reunião, voltei a vê-la... Estava tão tímida...

Mas ela faz-me bem. Sinto-me aconchegada, ao sabê-la presente.
A noite, é uma boa conselheira. Todas as minhas emoções, sensações, acontecem de noite, quando a Lua está presente, a velar por mim.

Estás a crescer, minha querida!
Sê bem vinda de volta!

Tédio

Passo pálida e triste. Oiço dizer:
«Que branca que ela é! Parece morta!»
E eu que vou sonhando, vaga, absorta,
Não tenho um gesto, ou um olhar sequer...

Que diga o mundo e a gente o que quiser!
- O que é que isso me faz? O que me importa?...
O frio que trago dentro gela e corta
Tudo que é sonho e graça na mulher!

O que me importa?! Essa tristeza
É menos dor intensa que frieza,
É um tédio de viver!

E é tudo sempre o mesmo, eternamente...
O mesmo lago plácido, dormente...
E os dias, sempre os mesmos, a correr...

Para quê?!

Tudo é vaidade neste mundo vão...
Tudo é tristeza, é pó, é nada!
E mal desponta em nós a madrugada,
Vem logo a noite encher o coração!

Até o amor nos mente, essa canção
Que o nosso peito ri à gargalhada,
Flor que é nascida e logo desfolhada,
Pétalas que se pisam pelo chão!...

Beijos de amor! Para quê?!... Tristes vaidades!
Sonhos que logo são realidades,
Que nos deixam a alma como morta!

Só neles acredita quem é louca!
Beijos de amor que vão de boca em boca,
Como pobres que vão de porta em porta!...

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Alma Perdida

Toda esta noite o rouxinol chorou,
Gemeu, rezou, gritou perdidamente!
Alma de rouxinol, alma de gente,
Tu és, talvez, alguém que se finou!

Tu és, talvez, um sonho que passou,
Que se fundiu na Dor, suavemente...
Talvez seja a alma, a alma doente
Dalguém que quis amar e nunca amou!

Toda a noite choraste... e eu chorei
Talvez porque, ao ouvir-te, adivinhei
Que ninguém é mais triste do que nós!

Contaste tanta coisa à noite calma,
Que eu pensei que tu eras a minh'alma
Que chorasse perdida em tua voz!...

Amiga

Deixa-me ser a tua amiga, Amor,
A tua amiga só, já que não queres
Que pelo teu amor seja a melhor,
A mais triste de todas as mulheres.

Que só, de ti, me venha mágoa e dor
O que me importa a mim?! O que quiseres
É sempre um sonho bom! Seja o que for,
Bendito sejas tu por mo dizeres!

Beija-me as mãos, Amor, devagarinho...
Como se os dois nascêssemos irmãos,
Aves cantando, ao sol, no mesmo ninho...

Beija-mas bem!... Que fantasia louca
Guardar assim, fechados, nestas mãos,
Os beijos que sonhei prà minha boca!...

Noite de Saudade

A noite vem poisando devagar
Sobre a Terra, que inunda de amargura...
E nem sequer a benção do luar
A quis tornar divinamente pura...

Ninguém vem atrás dela a acompanhar
A sua dor é cheia de tortura...
E eu oiço a Noite imensa, soluçar!
E eu oiço soluçar a Noite escura!

Porque és assim tão escura, assim tão triste?!
É que talvez, ó Noite, em ti existe
Uma saudade igual à que eu contenho!

Saudade que eu sei donde me vem...
Talvez de ti, ó Noite!... Ou de ninguém!...
Que eu nunca sei quem sou, nem o que tenho!!

Pensamento da Madrugada

"Longe da vista, longe do coração!"

É o que diz a minha mãezinha... Mas, e se não nos conseguirmos afastar?!

terça-feira, 31 de março de 2009

Vestígios de Ti

"Os meus discos no chao,
Os copos vazios...

Vestigios da noite, as palavras perdidas
O calor e o frio

O meu corpo no chao
O livro que eu li
O silencio e a pele, as palavras sentidas
Os vestigios de ti

(Chorus)

E o mundo e a rua, despidos no vento
À espera de sentir o mar
E uma vaga de espuma, e sentidos guardados
No fundo do olhar

As revistas no chao
Os copos vazios
Vestigios do tempo, as palavras trocadas
O calor e o frio

Cada gesto que abraca
E o filme que eu vi
O que fica marcado e nunca se afasta
Os vestigios de ti

E o mundo e a rua, despidos no vento
À espera de sentir o mar
E uma vaga de espuma, e sentidos guardados
No fundo do olhar

No fundo do olhar...(x2)"


E ás vezes é necessário limpar vestígios, todos e quaisquer alguns. De forma a ultrapassar, ou melhor, tentar ultrapassar... :( Por vezes é mesmo preciso.

Foste-te Embora Mais Uma Vez

Foste-te embora mais uma vez,
Saíste sem para trás olhar
Esfaqueaste o meu coração outra vez,
E não sei se consigo perdoar.

Foram vãs as minhas esperanças,
Foram tolas as minhas ilusões.
Foram as nossas últimas danças
Últimas músicas para os nossos corações.

Destruíste os meus sonhos,
Abandonaste-os num mar revolto.
Nem vi bem os teus olhos,
O teu olhar em brumas estava envolto.

Que raiva se acumula em mim
A minha alma sente-se morta.
Como me pudeste deixar assim?
O coração enche-se de revolta!

Quero gritar a tristeza
Quero as mágoas chorar
Quero acabar com a tua grandeza
Quero do alto te atirar.

Enjoa-me o teu egoísmo,
Irrita-me a tua insensibilidade.
Que raiva me dá o teu egocentrismo,
Que náuseas me dá, a tua suposta felicidade.

Mas no fundo, na realidade,
Desejo-te alguém como tu.
Que te traga falsa felicidade
E te deixe ficar “nu”.

Uma nudeza de sentimentos,
Como em mim provocaste.
Com falsos entendimentos,
Com o meu amor jogaste.

Não te consigo odiar,
O amor é demasiado grande.
E só neste rimar
Te consigo detestar!
(29/01/2004)

Espera...

Espera...
Não vás ainda...
Espera mais um pouco.
Tudo foi tão rápido,
Mas não foi só um momento louco.

Espera...
Não vás ainda...
Dá-me mais uma oportunidade,
Vamos seguir juntos,
O caminho da felicidade.

Espera...
Não vás ainda...
Eu estou aqui,
E aqui vou ficar,
À espera de ti.

Espera...
Não vás ainda...
Eu estou a sofrer,
Só me apetece chorar
E o coração só sabe doer.

Espera...
Não vás ainda...
Não consigo imaginar,
A vida sem ti.
O sol iria parar de brilhar.

Espera...
Não vás ainda...
Deixa-me desejar-te felicidade,
Porque encontraste alguém,
E acho que és amado de verdade.

Espera...
Não vás ainda...
Deixa-me controlar os meus olhos,
Enquanto te digo "Adeus",
Para estes não jorrarem lágrimas aos molhos.

Espera...
Não vás ainda...
Não quero ver as tuas costas,
Enquanto partes,
E cerras todas as portas.

Espera...
Não vás ainda...
Mas já partiste!
Eu fiquei a acenar com a mão,
Mas tu nem viste...

Pensamento da Madrugada

"Por vezes não devemos ter expectativas demasiado altas, normalmente acabamos desiludidos!"

segunda-feira, 30 de março de 2009

Suicídio

Chegou a hora...
Respiro fundo...
Absorvo o último golo de ar...
O último sopro de vida...
O último pôr-do-sol...
O Tejo está a brilhar...
E a 25 de Abril parece a ponte de San Francisco...
Coragem... E finalmente...
O salto para o vazio...
Abro os braços, tal como Jesus
Pregado na cruz...
Entrego o meu corpo
Ao infinito do rio.
Tenho tempo de ver a minha vida...
De forma sequencial...
Longas e curtas metragens...
Rezo para não chegar a nenhuma das margens...
Rezo para que a água leve o meu corpo,
E para ele se perder na imensidão...
Espero que ninguém o encontre...
Nada seria mais degradante!
O embate...
O choque... E o frio...
E finalmente....
O silêncio e a solidão...
Aqui, sinto-me feliz!

domingo, 29 de março de 2009

Pensamento da Madrugada (Atrasado)

"Quando combinares um jantar para consolar uma amiga, não bebas demais. Tu é que acabas por ser consolada!"

Algumas dores de cabeça... Nenhuma vontade de comer, apenas uma imensa necessidade de H2O!!

sábado, 28 de março de 2009

Anjo doce...


Anjo doce...
Se és menino ou homem, não sei...
Sei que te abracei,
Para secar qualquer lágrima que fosse.
Contigo descobri novos mundos,
Contornos e formas de ver,
Diferentes!
Aprendi que bastava querer!
Talvez os meus medos,
Ultrapassassem a vontade...
Nunca vou esquecer aquele dia, anjo doce...
Em que disseste que eu podia,
Que devia ter, tudo o que queria!
Nunca vou esquecer, anjo doce,
Quando à luz do luar,
Conheci todos os traços da galáxia,
Todos os brilhos das estrelas,
Todas as ondas do mar.
Nunca vou esquecer, anjo doce,
Como me senti desejada,
Por aquilo que sou
E não por aquilo que poderia ser.
Porque digo-te, anjo doce,
Prefiro ser aquela que amou,
Do que morrer...
Sem sequer saber o que é amar!
O luar, anjo doce...
Fez-me apaixonar ainda mais pela noite!
Não compreendo este fascínio...
É tão forte, tão magnífico...
Tão maior que eu...
Que por vezes me sinto em declínio!
Gostava que o luar fosse meu!
E sim, anjo doce...
Que o luar me ajudasse a prender,
Um qualquer sonho meu,
Uma qualquer memória que morreu,
Uma qualquer...
Sinto falta, anjo doce...
Mas tiveste que partir,
E eu, anjo doce...
Eu tive que dizer "adeus" e sorrir...
Sorrir, e continuar a sorrir...
Fica o esforço, do luar...
De não me fazer esquecer,
E de não me deixar chorar!
Anjo doce...
Que o luar te acompanhe...
E que nunca te esqueças de mim...
Que as estrelas, com formatos estranhos,
Que vivem nos teus olhos,
Brilhem até ao fim!

sexta-feira, 27 de março de 2009

Pensamento da Madrugada (Atrasado)

"Não deixes a tua cabeça mexer com o teu estomago; o resultado normalmente é sempre muito mau e doloroso!"

Eu que o diga....

"A Maior Tortura"

Na vida, para mim, não há deleite.
Ando a chorar convulsa noite e dia...
E não tenho uma sombra fugidia
Onde poise a cabeça, onde me deite!

E nem flor de lilás tenho que enfeite
A minha atroz, imensa nostalgia!...
A minha pobre Mãe tão branca e fria
Deu-me a beber a Mágoa no seu leite!

Poeta, eu sou um cardo desprezado,
A urze que se pisa sob os pés.
Sou, como tu, um riso desgraçado!

Mas a minha tortura inda é maior:
Não ser poeta assim como tu és
Para gritar num verso a minha Dor!...

quinta-feira, 26 de março de 2009

Caminho...


Diz-me que não é o fim do caminho...
Diz-me que não é o fim da estrada...
Diz-me que não vou ficar para sempre sozinho!
Não sei o dia em que te perdi...
Não sei a palavra que te atirei!
Apenas sei, que nada sei.
Não sei o que vou ser sem ti...
Não sei ser só eu...
Nem sei o que é nosso ou só meu!
Confundo as palavras e as acções,
Confundo tudo!
Até mesmo as emoções...
A estrada parece comprida...
Tenho de seguir mesmo até ao final?
É mais fácil se fizer uma corrida?
Contra o tempo?!
Contra mim?!
Talvez seja um contratempo...
Sinto-me cansado...
Esgotado.
Não há mais espera.
Não dá, não aguento...
É tudo muito intenso!
Prefiro o caminho...
É duro, solitário...
É meu!
A minha cruz, o meu rosário...
Posso demorar uma vida...
Posso demorar uma eternidade...
Vai ser para mim, uma obrigatoriedade!

terça-feira, 24 de março de 2009

Pessoa..


O poeta é um fingidor
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente

E os que lêem o escreve
Na dor lida sentem bem
Não as duas que ele teve
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão
Esse comboio de corda
Que se chama coração.
(Fernando Pessoa)
Porque sinto que é tão verdade? Porque sinto que ele tem tanta razão? Será que ele sabia mais sobre os sentimentos do que todos nós juntos? Nós que nos permitimos sentir, e ele que só se queria permitir á Razão... Não compreendo!

Pensamento da Madrugada

"Guarda os bons momentos no coração, no Futuro podem fazer-te falta para animar o teu Presente."
A frase é minha! Então, que tal?
A vida não pára, por isso é que só nos resta o que guardamos na memória ou no coração.

Morte...

Sinto a vida a escapar-se-me por entre os dedos,
O último sopro já foi á horas.
Que vaga de frio...
Porque me sinto a tremer assim?
É a morte que me procura?
Que quer ela de mim?
Acho que a vou deixar levar-me...
A sua voz é tão doce,
Como os seus dedos são gelados.
Porque me aperta ela a garganta?
Sinto-me a definhar...
Estou assustada...
Eu luto e luto contra isto...
Preciso de acordar,
Necessito de respirar...
Mas nada acontece...
Porquê?
Vou desistir...
Já não riu, já não me divirto...
Falta-me a vontade para tudo...
Vou sucumbir...
Ao desejo de sumir...
Vou contigo...
Morte, companheira, amiga...
Cuida de mim...
Porque eu sei que é melhor assim!

segunda-feira, 23 de março de 2009

domingo, 22 de março de 2009

Preciso...


Porque preciso de tempo para pensar;
Porque preciso de encontrar um rumo;
Porque preciso de andar para a frente;
Porque preciso de me sentir bem;
Porque preciso de renascer;
Porque preciso de voltar a sorrir;
Porque preciso de um motivo para acordar de manhã;
Porque preciso de alguém que me compreenda;
Porque preciso de deixar de sentir o que sinto;
Porque preciso de carinho;
Porque preciso de amizade;
Porque preciso de mimos;
Porque preciso de me sentir viva;
Porque preciso de...
O que importa o que preciso?
Apenas sei que confusão, é o que não preciso!

Pedra Filosofal

Eles não sabem que o sonho
É uma constante da vida
Tão concreta e definida
Como outra coisa qualquer

Como esta pedra cinzenta
Em que me sento e descanso
Como este ribeiro manso
Em serenos sobressaltos

Como estes pinheiros altos
Que em verde e oiro se agitam
Como estas árvores que gritam
Em bebedeiras de azul

Eles não sabem que sonho
É vinho, é espuma, é fermento
Bichinho alacre e sedento
De focinho pontiagudo

Que fusa através de tudo
No perpétuo movimento
Eles não sabem que o sonho
É tela é cor é pincel

Base, fuste ou capitel
Arco em ogiva, vitral
Pináculo de catedral
Contraponto, sinfonia

Máscara grega, magia
Que é retorta de alquimista
Mapa do mundo distante
Rosa dos Ventos Infante

Caravela quinhentista
Que é cabo da Boa-Esperança
Ouro, canela, marfim
Florete de espadachim

Bastidor, passo de dança
Columbina e Arlequim
Passarola voadora
Pára-raios, locomotiva

Barco de proa festiva
Alto-forno, geradora
Cisão do átomo, radar
Ultra-som, televisão

Desembarque em foguetão
Na superfície lunar
Eles não sabem nem sonham
Que o sonho comanda a vida

E que sempre que o homem sonha
O mundo pula e avança
Como bola colorida
Entre as mãos duma criança

(António Gedeão)

Pensamento da Madrugada

"Se alguma vez forem a actuações de Tunas, por favor, não vão trabalhar!!"

sábado, 21 de março de 2009

Pensamento da Madrugada

"Mais vale um pássaro na mão, do que dois a voar!"

E é bem real....

Solidão


É um sentimento,
Ou talvez uma sensação.
Sei apenas que é um tormento,
Que bate á porta do coração.
Podemos estar rodeados de pessoas,
Que é como se fossemos um só.
Por mais que falem connosco,
É apenas porque metemos dó.
Se não fôr isso que sentem,
Afastam-se, sem darmos por isso.
Para não nos magoar, mentem,
Só para não pensarmos nisso.
É saber que já fomos o centro do mundo,
Para alguém que nos quis bem.
E que agora estamos num poço bem fundo,
Que nos deixou esse mesmo alguém.
É sentir que nada se sente,
E que o chorar é companheiro.
É deixar que algo nos tente,
E não saber dizer: Não!
É ter de enfrentar, sozinho,
O negrume que se apodera de nós.
É não deixar o silêncio ser nosso vizinho,
E tentar desatar os nós.
Os nós da solidão que pesa,
Bem fundo no nosso peito.
Parece que somos uma presa,
Na morte do seu leito!

quinta-feira, 19 de março de 2009

Pensamento da Madrugada

"Quem não arrisca, não petisca!"


Será verdade?!
Alguém acredita verdadeiramente nisto?!

Insónia


A que me acompanha nas longas noites,
Sejam elas frias ou de calor.
Companheira de pensamentos e sonhos,
Companheira de dor.

A que me deixa pensar e repensar,
Na vida passada, no presente vivido.
Aquela que me deixa sonhar,
E desejar o que ficou perdido.

Parceira de filmes e de imagens,
Parceira de conversas.
Parceira de livros e de viagens
E de muitas promessas.

Contigo vivo todos os dias;
Tu dás-me sempre certezas,
De todas as minhas alegrias
E das minhas tristezas.

Não suporto estar contigo,
E ao mesmo tempo estar sem ti.
A única coisa que consigo,
É sonhar que adormeci.